Amante Sombrio - J. R. Ward

Opa! Tudo bom? 

Amante Sombrio, volume I da série ‘Irmandade da Adaga Negra’, 448 páginas, editora Universo dos Livros.

Sinopse: Em Caldwell, tempos atuais, existe uma violenta e cruel rivalidade entre Vampiros e Redutores. Vampiros semelhantes aos clássicos (queimam no sol, vivem á noite, são fortes, poderosos, etc) que se alimentam de qualquer coisa, mas apenas o sangue de um vampiro do sexo oposto os mantém fortes. Ah, e apenas quem “nasceu” vampiro pode se transformar em um deles (sem essa de “mordeu-virou”). Redutores, do outro lado, são seres sem alma, praticamente albinos cuja única missão é perseguir e destruir os rivais "sanguessugas". Dentre os vampiros existe a Irmandade da Adaga Negra, sociedade de seis guerreiros defensores da raça. O primeiro livro conta a história de Wrath, vampiro mais puro da raça e conhecido como “Rei Cego” porque além de enxergar 1% ‘do mundo’ tem como missão liderar a espécie (por ser o mais puro, respeitado, etc). Darius, um antigo amigo de Wrath, o convoca para uma delicada missão: encontrar, conscientizar Beth (filha mestiça de Darius) de sua 'vampirice' e ajudá-la em sua transformação. 
Enquanto isso, Beth é uma jornalista solitária que acredita ser uma "humana normal". Wrath recusa a proposta, mas não contava com a morte de seu amigo horas depois. Decidido a honrar o último pedido do amigo, o "Rei Cego" decide procurar a jovem, porém não contava com uma paixão repentina. Além disto, a Irmandade está disposta a vingar a morte de Darius, morto por um Redutor. 

Eu particularmente gosto muito de literatura sobrenatural (principalmente quando as histórias não fogem da temática original e até rimou). A temática ‘vampiresca’ é sombria e muitas vezes agressiva. Fiquei feliz em perceber que J.R. WARD soube aproveitar e concretizar isto na história.  A narrativa é excelente e consegue prender o leitor do começo ao fim, fazendo-nos sair totalmente da realidade e até chegar a cuidar a janela do quarto (pra ver se não vão entrar vampiros por ali. Sério.).  O ‘romance’ entre Wrath e Beth é impecável sem ser meloso e os personagens conseguem ser heróicos sem fugir do contexto. Ainda que os personagens vampiros sejam um tanto idealizados (todos lindos, todos fortes, todos fantásticos. E ‘todas procura’!), a narrativa consegue manter um equilíbrio saudável. Além disto, é difícil não se encantar não só com os personagens principais como também com os demais membros da Irmandade
Eu, por exemplo, estou ansiosa pelo livro que contará a história de Tohrment (vou esperar sentada porque está previsto para ser o décimo livro.)

Resumindo: gostei muito e mal posso esperar para ler os outros livros da série. Até agora já existem oito livros no Brasil.




Comentário adicional: Quem já leu algum livro da Série Mortal (de J.D. Robb, pseudônimo de Nora Roberts) talvez, assim como eu, lembre-se de Roarkie com Wrath. Os dois moram em mansões, tem mordomos característicos, são lindos, são misteriosos e são bem altos. Desculpe, foi só um devaneio :)

Formô!