Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge

Opa!
Batman – The Dark Knight Rises, de Christopher Nolan, 2012, 165 minutos
Sinopse: “Oito anos após a morte de Harvey Dent, a cidade de Gotham City está pacificada e não precisa mais do Batman. A situação faz com que Bruce Wayne (Christian Bale) se torne um homem recluso em sua mansão, convivendo apenas com o mordomo Alfred (Michael Caine). Um dia, em meio a uma festa realizada na Mansão Wayne, uma das garçonetes contratadas rouba um colar de grande valor sentimental. Trata-se de Selina Kyle (Anne Hathaway), uma esperta e habilidosa ladra que, apesar de flagrada por Bruce, consegue fugir. Curioso em descobrir quem é ela, Bruce retorna à caverna para usar os computadores que tanto lhe serviram quando vestia o manto do Homem-Morcego. Aos poucos começa a perceber indícios do surgimento de uma nova ameaça a Gotham City, personificada no brutamontes Bane (Tom Hardy). É o suficiente para que volte a ser o Batman, apesar dos problemas físicos decorrentes de suas atividades como super-herói ao longo dos anos.(sinopse do Adoro Cinema).

Então, eu estava saindo do cinema e pensando “eu vou ter que escrever uma resenha pro blog. Ok, mas como raios vou conseguir expressar minha opinião em meia dúzia de palavras? ._.”. Eu continuo sem saber que palavras usar. É comum criar mais de anos de expectativa pelo final da trilogia e ter medo de se decepcionar, mas felizmente Nolan não só não decepciona como surpreende. E muito. O filme acaba puxando para um lado político e até revolucionário e, apesar de ter quase três horas, nos faz esquecer que se trata de um filme de super-herói. As atuações também estão impecáveis: Christian Bale acho que já nasceu Batman, Tom Hardy (Bane) nos deixa totalmente tensos e apavorados na cadeira só com os olhos e Anne Hathaway também está boa no papel (só achei que faltou contar um pouco mais da história da personagem). Ah, e eu não sei se rio ou se choro com a ponta tragicômica do meu muso Cillian Murphy (Dr-exílio-ou-morte-Crane).

É inevitável e totalmente desnecessária a comparação com Batman – O Cavaleiro das Trevas. Ambos são filmes maravilhosos e que se completam, obviamente, porém com vilões totalmente diferentes. Enquanto o perfeito Coringa (Heath Ledger) faz um vilão cruel de terror psicológico (semelhante aos quadrinhos), Bane é tão terrível quanto, porém com bombas e barulheiras. É injusto falar dos filmes usando “melhor que” ou “pior que”. (Mimimi de fã). E não se esqueçam do fantástico e pioneiro Batman Begins :).
Formô!