#Fotografia - Murad Osmann

Opa! Tudo bom?

Fotos de viagem e de casais geralmente são bonitas, mas simples, sem muito diferencial. Juntando as duas coisas de uma forma excepcionalmente criativa, Murad Osmann criou a série de fotografias "Follow Me". A ideia surgiu em uma viagem para Barcelona, quando a namorada já não aguentava mais puxar Murad para que ele parasse de tirar fotos e os dois continuassem o passeio. O resultado é único e surpreendente.






Confira todas as fotos da série (e mais outras ótimas) no Instagram de Osmann.

Formô!

Ilustradores #4 - Khoa Ho

Opa! Tudo bom?
Umas das coisas que eu sempre achei demais nos super-heróis são as suas relações com o próprio passado e suas origens. Pensando nisso, o americano Khoa Ho criou uma série de desenhos que mostra os heróis contrastando com uma característica marcante de seus passados. O resultado é ótimo.
Bruce Wayne, o Batman ♥

 Peter Parker, o Homem-Aranha

Jay Garrick, o Flash

 Tony Stark, o Homem de Ferro

 Clark Kent, o Superman

Logan Howlett, o Wolverine

Confira outros trabalhos dele aqui. São igualmente originais, destaco a série Toy Story ^^.

Formô!

Fotografia #3: Andy Prokh

Alô! Tudo bem?

Andy Prokh é um russo que juntou dois de seus amores com muita criatividade: fotografia e família. Sua filha Catherine e o gato Lilu rendem fotos simples e cativantes. O resultado ficou simples e lindo, além disso, o preto e branco dá um toque especial nesta amizade:


Confira outros trabalhos e mais fotos deste no Facebook doAndy.

E não esqueça da nossa promoção :D


Formô!

#TOP10 - Atuações do Johnny Depp

Alô! Tudo bem?

Hoje, dia 9 de junho, o Johnny Depp faz 50 anos. Nada mais justo do que um post homenageando o meu ator preferido. Foi bem difícil escolher este top, mas o fiz baseado na melhor atuação dele mesmo, ignorando qual o melhor “filme em si”. É a minha opinião, é claro. Geralmente faço “Top 5”, mas hoje fiz “Top 10” porque ah, o Johnny merece :)

10 – Mort Rainey em A Janela Secreta (2004)
Mort é escritor, deprimido e neurótico. Uma original criação de Stephen King muito bem trabalhada. Tem cenas nesse filme que eu sei de cor até os diálogos hahaha

9 – Edward em Edward Mãos de Tesoura (1990)

Primeira parceria (e pra mim a melhor) de Johnny e Tim Burton. Precisa falar alguma coisa do Edward?

8 – Ichabod Crane em A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça (1999)

Ta aí um personagem que não teria a menor graça se feito por outro ator. Ichabod é um investigador bonzão encarregado de resolver uma série de assassinatos sinistros em uma pequena cidade, mas ao mesmo tempo é cômico, caricato e cheio de chiliques. Demais!

7 – Sweeney Todd em Sweeney Todd (2007)
O barbeiro demoníaco e vingativo retratado de forma poética e musical. Perfeito. Vou contar um segredinho pra vocês: já faz um ano que eu tenho uma mecha pintada de branco por dentro do cabelo preto. É inspirada no Sweeney haha). Curtam “My Friends”, que pra mim é a e melhor do filme, pra quem viu e quem não viu.

6 – Gilbert Grape em Gilbert Grape, o Aprendiz de Sonhador (1993)

Gilbert é o chefe de uma família problemática (o irmão, vivido por Leonardo DiCaprio, tem problemas mentais, a mãe é obesa e não sai de casa, a irmã é imatura, etc). É um filme lindo e emocionante. Sofro e amo demais esse personagem.

5 – Willy Wonka em A Fantástica Fábrica de Chocolates (2005)

Muita gente reclamou do excesso de tiques do Willy comparados ao da versão anterior, mas depois de ler o livro discordei ainda mais disto. Johnny deu uma cara muito mais viva e cômica a um personagem que é, naturalmente, cômico. Épico. Até hoje quando como barras de cereal me lembro que elas são feitas das lasquinhas do apontador hahaha (Certa vez uma professora olhou pra minha camiseta do Willy Wonka e perguntou onde “eu comprei uma camiseta tão legal da Rita Lee”. Durmam com essa...)

4- George Jung em Profissão de Risco (2001)

Ambientado nos anos 70, George é um traficante de cocaína entre o México e os EUA que troca a família e mais um pouco pelo glamour e o dinheiro que o mercado negro traz. É um filme forte e cheio de reviravoltas. Um dos meus preferidos e é baseado em fatos reais. Impossível não se revoltar, amar e se emocionar com Johnny neste papel.

3 – Agente Sands em Era Uma Vez no México (2003).

Esse filme é todo uma viagem. Sério. Johnny faz um agente da CIA corrupto, espertalhão, irônico e de uma conduta própria e duvidosa. Acaba traído, mal-pago e sem os olhos (?). Meu sonho é fazer um cosplay dele, com direito à tinta vermelha na cara e tudo. “Are you a mexican or a mexican’t?”.

2 – J.M. Barrie em Em Busca da Terra do Nunca (2004)

Com certeza um dos “Top 3” dos meus filmes preferidos da vida. JM é o criador da obra Peter Pan, inspirada em uma simples família que ele acaba conhecendo e ajudando. Emocionante, lindo, fantástico. Choro se me lembrar da cena deste GIF :(

1 – John Willmot em O Libertino (2004)
Como eu disse, o meu primeiro lugar vai para a melhor atuação e não para o melhor filme. Não que O Libertino não seja um filme muito bom, mas quem viu sabe que é uma obra polêmica e controversa, que revolta, zomba e emociona ao mesmo tempo. A atuação do Johnny está absurda. Digna de Oscar, Globo de Ouro, estátua, etc. Não levou nada, é claro, até porque muita gente sequer conhece o filme. Uma pena, mesmo. Encerro a lista e o post com o epílogo do filme. Onde estão meus lenços?

Formô!

Bônus – Menção honrosa: Capitão Jack Sparrow em Piratas do Caribe – A Maldição do Pérola Negra (2003)


Como não falar e amar? O personagem que mais rendeu fama e talvez fortuna ao Johnny. Sem ele eu não seria “Dud’s Sparrow” (desde 2003, até hoje em diante, todas as minhas redes sociais são “dudsparrow” haha), não falaria “ohhhh”, não me encantaria por piratas e nem teria assistido a este fantástico filme mais de 40 vezes (sério). Por mim o filme seria só este, sem as continuações pastelonas. Enfim, “obrigada Jack”, e desta vez falo do pirata, não do macaco ;)

Filme: Esperar Para Sempre

Alô! Tudo bom?

Waiting for Forever, de James Keach, 95 minutos, 2011

Sinopse: Emma (Rachel Bilson) e Will (Tom Sturridge) eram melhores amigos na infância até que ele se muda e os dois acabam perdendo o contato. Porém, Will tem Emma como a pessoa mais importante de sua vida e a segue por todos os lugares em que ela viaja, em segredo. Sendo assim, ele não tem nem casa nem trabalho fixos, e vive de malabarismos artísticos pelos lugares onde ela anda. Quando o pai de Emma fica doente, ela volta para sua cidade natal deixando pra trás a vida amorosa e profissional complicadas, e é lá que os dois acabam se encontrando oficialmente.


Hmm. Eu nunca tinha ouvido falar nesse filme. Acabei assistindo no Netflix por me parecer mais uma comédia romântica felizinha (que eu adoro). Não achei muito. O romance dos dois só existe na cabeça do Will, que por mais que seja um menino fofo e inocente, é até estranho que ele não faça mais nada da vida a não ser viver atrás de Emma a ponto dos parentes dele terem que praticamente obrigá-lo a ir falar com ela. Tudo bem que a intenção dele é boa e ele não é um psicopata, mas quem gostaria de ter um admirador secreto a seguindo por todos os lugares? (Esqueçam que o Tom é bonito haha). Apesar disto, Will é encantador e até se torce pra que ele se apaixone por outra (porque sei lá, achei a Emma muito sem ação em vários momentos, principalmente nas cenas com o ex/atual namorado tenso). Como eu li em outra resenha, Will chega a ser um Peter Pan “piorado”, que se recusa a sair da infância e seguir em diante na vida. Até mesmo a cena do reencontro deles, que foi onde eu estava esperando acontecer alguma conexão romântica e emocionante entre os dois, foi um tanto “chocha”. Foi mais pra “ah, olha aqui por acaso encontrei um menino com quem eu brincava na infância. Ok”. E só. Além do lance do “casal”, existem umas outras histórias no filme tais como o irmão de Will, os amigos que ele faz na estrada, o ex/atual namorado de Emma e suas confusões, a doença do pai dela, entre outros. Alguns deixam o filme melhor, outros só o deixam confuso.

Não querendo ser chata, mas acho que Esperar para Sempre ficou devendo várias coisas: um enredo mais desenvolvido, umas explicações aqui e ali e talvez até mais romance. Fofinho, mas Sessão da tarde feelings. Que pena.


Formô!

Filme: Clube dos Cinco


Alô!
The Breakfast Club, de John Hughes, 93 minutos, de 1985

Cinco estudantes fazem pequenos “aprontes” e são obrigados a passar o sábado inteiro de castigo na escola escrevendo uma redação sobre eles mesmos. Aos poucos eles começam a perceber que apesar de muito diferentes, todos tem algo pra contar e suas próprias semelhanças.


Apesar de parecer um pouco clichê no começo pelo enredo e pelas características iniciais dos personagens (um nerd, um atleta, um baderneiro, uma patricinha e uma “moça estranha”), O Clube dos Cinco surpreende, pois apesar de ser um filme antigo, encaixa-se perfeitamente na realidade atual (me lembrou até o livro Admirável Mundo Novo neste quesito “realidade independente da época”).  É interessante como as características iniciais dos personagens ficam sendo apenas iniciais mesmo, pois ao abordarem assuntos como conflitos familiares, sexualidade e problemas existenciais, percebemos a real personalidade deles e como, muitas vezes, se assemelha com a nossa. É um filme bem divertido que nos deixa pensando depois em vários aspectos, principalmente a respeito de “aceitação em grupos” e preconceitos.  Além disso, a trilha sonora é ótima.


Abaixo uma das melhores cenas, vale a pena rever pra quem já assistiu ao filme:

E o trailler pra quem ficou curioso:

Formô!

Ilustradores #1: Ryodita

Opa! Tudo bom?

O ilustrador alemão Ryodita transforma heróis e vilões famosos em desenhos fofinhos, mas com muita personalidade. O resultado ficou ótimo.
Loki (Os Vingadores/Thor)
Homem-Sereia e Mexilhãozinho (Bob Esponja)  hahahaha :D