Tag: Meus Seis Clipes Preferidos


Sumi mas já voltei ;). A Bruna Vieira criou esta tag para a blogueira eleger seus dez clipes preferidos. Eu evito fazer posts com listas muito longas então optei por escolher apenas seis.

Os clipes com certeza foram a parte essencial da minha infância que me fez tão fã de música. De qualquer gênero. Sempre tive meus artistas e gêneros preferidos, mas acompanhar diariamente o TVZ da Multishow e os clipes aleatórios que passavam na Fox Kids e na Nickelodeon me fez gostar desde sempre de descobrir novas músicas e bandas.

U2 - Elevation



Acho que já contei essa história aqui, mas eu conheci o U2 justamente no intervalo dos meus desenhos animados na Nickelodeon. Elevation tem U2 (?), Tomb Raider (vivida pela musa Angelina Jolie), paradoxos de dupla personalidade (aham), animais soltos pela cidade, etc. É até hoje um dos meus clipes preferidos deles. Elevation é de 2001 e faz parte do disco All That You Can’t Leave Behind.

Aerosmith - Sunshine



Ambientado no universo de Alice no País das Maravilhas, mas retratado de uma forma mais adulta (e até bizarra),  Sunshine traz Steven Tyler no maior estilo “chapeleiro louco”. Também é de 2001, do disco Just Push Play.

Bon Jovi - It’s My Life



Um dos maiores hits do Bon Jovi com certeza tem um clipe à altura. A correria do jovem atrás do show é divertida e se parece comigo correndo atrás do ônibus quase todo dia HE. A faixa é do disco Crush de 2000.

Lana Del Rey - Born to Die



Gravado em um palácio francês, com tigres e com a participação do modelo Bradley Soileau (que depois participou dos vídeos de Blue Jeans e West Coast), o vídeo foi um dos principais estouros na carrera da cantora. A música faz parte do disco homônimo de 2011

Lady Gaga - Born This Way



Segundo Born da lista. É difícil resumir uma das maiores obras da Gaga em duas frases. Inspirado na artes surrealistas de Salvador Dali, o vídeo tem figurinos incríveis e referências conceituais em quase todos os momentos. Também é de 2011.

U2 - Lemon



U2 de novo, óbvio. Uma sutil homenagem ao clipe que inspirou o meu trabalho de conclusão de curso e me tirou algumas noites de sono. De nem tão fácil compreensão, o vídeo de 1993 mistura referências de Eadweard Muybridge com elementos de comunicação. Mitos s2. .

Já conheciam? Quais os clipes preferidos de vocês?

Ilustradores: A Fantasia de Gonzalo Kenny

Gonzalo Kenny é um ilustrador argentino especialista em fantasia e em técnica 3D. Além disto ele atua na área de capas de livro, embalagens e artes conceituais. O trabalho é supreendente:






Daenerys, de Game of Thrones:

É possivel adquirir as ilustrações aqui e conhecer os outros projetos do artista aqui.

A coluna Ilustradores traz sempre um artista que me chamou atenção seja na internet ou na vida real e alguns de seus trabalhos. Fique à vontade de me indicar um ilustrador :)

Throwback: Wherever You Will Go - The Calling

Throwback de hoje com Wherever You Will Go, que foi lançada em 2001 e faz parte do disco de estréia da banda americana The Calling - intitulado Camino Palmero. A música fez um sucesso enorme na época, foi trilha sonora da novela das seis “Coração de Estudante”, de Smallville, do longa Simplesmente Amor, e além disto a banda aparece tocando-a no filme Show Bar. Relembre:

 

O sucesso do The Calling estava estampado nas capas de quase todas revistas adolescentes da época e vivia entre os clipes mais pedidos, porém pouco se ouviu falar deles depois deste período. Em 2005 a banda de Alex Band entra em “pausa indeterminada” após o lançamento do disco Two, que não chegou nem perto do sucesso do primeiro.


O The Calling chegou a anunciar um retorno em 2013 mas ainda nada. Atualmente Alex Band (agora moreno) segue carreira solo, e apesar de estar sem lançar inéditas, faz sucesso em suas redes sociais. Gostavam de The Calling? ;)

A Throwback retoma alguma música/artista que fez sucesso em determinado passado, resume mais ou menos aonde o artista anda atualmente e faz uma comparação com o último lançamento.

Resenha: Mr. Nobody

Resenha da Elisa para um clássico do cinema-mindfuck. Bom final de semana ;)


O filme se passa no ano de 2092 e o personagem Nemo Nobody (vivido por Jared Leto) é o último mortal, já com 188 anos, vivendo em um centro de pesquisas como cobaia. Ele é entrevistado constantemente por um psiquiatra e por um jornalista que pedem relatos do que ele viveu -  em uma sociedade onde a morte e o sexo já não são mais presentes. O filme todo se passa dentro da "possível" história de vida de Nemo - eu disse "possível" história, pois o tempo todo nos é apresentado diferentes versões da vida de Nemo, mostradas como se fossem um flashback.

O filme é simples esteticamente falando, também não tem uma trilha sonora significante (Se vocês repararem ao longo das resenhas, eu sempre falo das trilhas sonoras, pois acredito que elas fazem uma baita diferença dentro do filme), mas pesa muito pela história, pois traz uma narrativa extremamente complicada, já que nos deparamos com várias versões da vida de Nemo. Nos perguntamos: Tá, mas qual é a versão correta? Qual destas versões ele realmente viveu? Esse é o grande questionamento desse filme, é um filme totalmente subjetivo, deixa para o espectador entender como quiser.


A narrativa é dividida em fases: o começo da vida (nascimento e quando nos é mostrado que ele mesmo escolheu os pais) a adolescência (primeiro morando com a mãe e a provável vida dos dois e depois morando com o pai) e depois de todo este nó de informações, temos um Nemo adulto vivendo com três esposas diferentes em vidas diferentes mostradas alternadamente.

O filme pode ser pensado de diversas formas, ou seja, podemos interpretar ele das seguintes maneiras:
- Toda a vida de Nemo não existiu e ele ficou o tempo todo preso no centro de pesquisa e imaginou tudo.
- Tudo não passou de um delírio, incluindo as possibilidades de ter diversas vidas.
- Nemo não existiu, era apenas uma vida inventada pelo psiquiatra ou pelo jornalista para conduzir a história.
- Nemo viveu realmente todas as vidas, criando a possibilidade de escolha, dentro de um universo paralelo.


Eu fico com a última opção, pois acredito que realmente ele tenha vivido tudo aquilo dentro de uma outra dimensão além da realidade. O grande segredo do filme pra mim está no fato de nos fazer refletir sobre as escolhas que fazemos na vida, e como isso influencia diretamente o nosso futuro. Por mais que escolhamos um caminho, sempre há outro que poderia ou não ser melhor. Ou uma segunda opção: o que é real e o que é imaginário dentro da nossa vida? Vejam o filme e buguem seus cérebros ;). 


Discover: Supercombo

Descobri a Supercombo há alguns anos atrás quando meu primo Pedro embarcou pra São Paulo pra virar guitarrista dela ;) Parentices à parte, a banda vem merecidamente crescendo e se destacando cada vez mais na cena do rock brasileiro.



A Supercombo surgiu em 2007 no Espírito Santo e lançou o primeiro disco no ano seguinte (intitulado "Festa?"). A banda já possui mais dois álbuns oficiais sendo o último - Amianto - lançado no ano passado. A formação atual conta com Leonardo Ramos, Carol Navarro, Pedro Ramos, Paulo Vaz e Raul de Paula. Você pode escutar o disco Amianto pelo Spotify, Deezer ou pelo Rdio. Destaco Sol da manhã, O Peso da Cruz, Amianto e Piloto Automático.


A Supercombo está participando da segunda temporada do programa Superstar, exibido na globo aos domingos depois do Fantástico. No time do Paulo Ricardo, a banda está indo muito bem e já se encontra na segunda fase do programa. Até agora eles apresentaram o hit Piloto Automático e uma releitura de Epitáfio, dos Titãs.

Além disto, o grupo é autor da música conceitual da campanha de lançamento da Coleção Folk Story da loja Riachuelo. Confira aqui.

Já conheciam? Gostaram? ;)


A coluna Discover fala de artistas musicais que eu descobri recentemente, seja por indicação de alguém ou de algum software. Fique à vontade de me indicar algum que você ache legal :)