Destino e circunstâncias: resenha do filme Babel

Opa! Tudo bom? Hoje a Elisa trouxe a resenha do incrível "Babel", de 2007. Dirigido por Alejandro González Iñárritu, mesmo diretor do ótimo 'O Regresso', que concorreu ao Oscar de melhor filme em 2016 e do superestimado 'Birdman', que também concorreu ao Oscar de melhor filme e levou a estatueta em 2015. 'Babel' também concorreu ao Oscar, porém não levou. Além de ter concorrido com os filmes, Iñarritu também concorreu como melhor diretor e ganhou em todos.



O filme consegue mostrar que sim, Iñárritu é um ótimo diretor, porque não é à toa que ele ganhou tantos prêmios e conquistou tantas indicações. (Fora outras obras que não citei aqui, mas que também levaram prêmios). Babel me surpreendeu, e muito. Achei que fosse um filme com um viés totalmente político, porém é um filme sobre destino, sobre circunstâncias.

O filme se foca em quatro histórias paralelas, quatro conjunto de acontecimentos e que ao longo da narrativa vão se ligando e eu achei isso fantástico! As histórias estão todas conectadas por um acidente, que reúne quatro grupos de pessoas de três continentes distintos: dois jovens marroquinos que resolvem testar o rifle que seu pai comprou e acabam gerando o acidente, um casal americano em férias no Marrocos, uma adolescente japonesa surda e seu pai perseguido pela polícia e uma senhora mexicana que leva as crianças em que cuida como babá para a fronteira do México com os EUA sem permissão de seus pais.


Tudo isto acontece paralelamente, ou seja, enquanto uma das histórias está acontecendo no Japão, outra está acontecendo no Marrocos e assim durante todo o filme. 

Aliás, uma curiosidade sobre o título do filme: ele remete à Torre de Babel, uma referência bíblica à ideia de pessoas que falam línguas diferentes e não conseguem estabelecer comunicação entre si. No filme, não por não conseguirem se comunicar diretamente (apesar de ter uma personagem surda–muda, que aí sim, não conseguia se comunicar mesmo) mas por seus destinos conseguirem se comunicar, independente de que parte do mundo eles estão.

Outra coisa legal no filme 'Babel' é que ele trabalha com 4 línguas diferentes. Claro, o roteiro tem todo seu mérito pela construção da narrativa de uma forma que pudesse ser vista cinematograficamente, ele é extremamente bem costurado, mas a direção de Alejandro é impecável, faz tudo isso acontecer sem nenhum atropelamento, com todo o entendimento que tem que ser dado, usa de ótimos planos para dar contextualizar a cena.



O elenco também está ótimo, Iñáritu soube tirar o melhor dos atores, que desenvolveram seus personagens de uma forma muito profunda que vai desde a atriz que interpreta a garota surda que fez um trabalho excelente com a linguagem corporal até os meninos marroquinos, totalmente desconhecidos do público. A fotografia é esplêndida, mescla os diferentes cenários mostrando o contraste entre a moderna cidade de Tóquio, o deserto do Marrocos e a pobreza do México, tudo isto acompanhado de uma ótima trilha sonora que consegue acompanhar cada diferente cena, aliás, a trilha sonora ou a falta dela, em alguns casos - como é o exemplo de uma cena em que a garota japonesa está em uma festa, porém como ela é surda, não conseguimos ouvir a música, apenas a observação dela de quem está dançando e isso funciona muito bem, pois te ambienta dentro da história e do personagem. 

Achei legal que além dos contrastes de cenário, o filme traz um contraste social também, vemos - aí já enviesado para um lado político social, de certa forma até meio estereotipado, mas mesmo assim, isso não desmerece o filme. 

4 comentários

  1. Patricky Barbosa2 de maio de 2017 23:24

    Só por dizer que Birdman é superestimado já adorei a resenha 😂 mas brincadeiras a parte, não vi Babel, mas depois de ler o texto, fiquei com muita vontade. Já tá na fila.

    ResponderExcluir
  2. Eu sou tão desligada do Oscar, que ainda não tinha ouvida falar desse filme, do autor ou das obras que você citou dele x.x
    No entanto, achei bem interessante a proposta do filme - desde o nome, até as diferentes culturas e aforma como tudo está conectado. Me atraiu bastante e eu, definitivamente, vou dar um chance assim que possível!
    Literalize-se!

    ResponderExcluir
  3. AMEI a indicação! Não me recordo de ter assistido nenhum filme do diretor, mas Babel com certeza entrou na minha lista de filmes! A questão do uso das 4 línguas é algo diferente de tudo que já foi feito! Parabéns <3

    ResponderExcluir
  4. Oi.
    Acho que ouvi falar algo a respeito desse filme, mas acabou que não dei muita importância, mas sua resenha me deixou com vontade de assistir.
    Me lembrou um pouco Sense 8 estou muito enganada?
    Beijo

    ResponderExcluir

Pode comentar à vontade, mas lembre-se que escrevi e produzi este post com muito carinho e dedicação, portanto comentários apenas com links, ~adorei, tchau~ ou ~não conheço, bjs~ serão ignorados :(

Porém, se comentares a respeito do post, mesmo se desconhecer do assunto, irei retribuir em seu blog com carinho :)