Crítica do filme 'Anna Karenina'

Opa! Tudo bom? Hoje a Elisa trouxa a resenha do filme Anna Karenina, de 2012, estrelado por Keira Knightley. 


O filme 'Anna Karenina' é uma adaptação britânica de 2012 do clássico livro homônimo de Liev Tolstói. Dirigido por Joe Wright - responsável por dirigir também a adaptação de Orgulho e Preconceito - tem Keira Knightley como protagonista, além de Jude Law e Aaron Taylor Johnson. Vale destacar que o longa ganhou 2 Oscars por trilha sonora original e figurino. Eu gosto muito desta história, pois o diretor optou por uma abordagem incomum de apresentar a história: o filme trabalha em forma de teatro antigo, os cenários se movem conforme a ambientação da cena e dos personagens. 

Logo nos primeiros minutos já notamos que há algo de diferente na produção. Esse é o grande diferencial e que me fez escolhê-lo para esta resenha. A história se passa em 1874 no período da Rússia Imperial e narra os conflitos de uma traição. Anna Karenina (Keira Knightley), é casada com Alexei Karenin (Jude Law), um prestigiado funcionário do governo. Porém ao viajar para consolar a cunhada, que vive uma crise no casamento devido à infidelidade do marido, ela conhece o conde Vronsky (Aaron Johnson), que que se apaixona por ela e passa a segui-la. 


Apesar de se sentir atraída por Vronsky, Anna tenta ignorar seus sentimentos e decide voltar para sua cidade. Entretanto, Vronsky insiste e resolve se declarar. À partir disto, os dois começam a viver um romance escondido, até que Alexei descobre e Anna se vê pressionada e obrigada a fazer escolhas que contrariam seus objetivos. A primeira vista, parece só mais um romance de época, porém Anna Karenina trata do quão vulnerável podemos ficar diante de pressões e da evolução da mulher. 

A personagem, além de sofrer a pressão do marido, sofre também com a ridicularização e preconceito da sociedade da época com as mulheres que possuíam um caso extra conjugal. Em 1874, ano em que a história se desenrola, era ultrajante para uma mulher se envolver com outros homens e mais ultrajante ainda era pedir o divórcio, pois uma mulher divorciada era uma mulher indigna. Além desta questão, a narrativa também fala sobre o quanto as mulheres também eram vulneráveis e moldadas por princípios e regras da sociedade da época, por exemplo, há uma personagem que é pressionada pela família a se casar, pois seria uma vergonha ter uma "solteirona" na família, simbolizava fracasso. Então ao assistirmos o longa, podemos tirar alguma questões sociais para reflexão.



Falando dos aspectos técnicos, a direção de arte é linda! Como falei lá no começo do post, o filme todo tem a proposta de apresentar a narrativa como um teatro, os personagens e cenários são todos em cima de um palco, com tudo sendo montado ali na hora mesmo. O diretor chegou até a declarar que optou por esse tipo de proposta para dar mais ênfase à história, pois a sociedade russa da época era assim: um grande palco onde tudo era encenado. 

O longa quase não possui tomadas externas e isso chama muito a atenção, praticamente todas as cenas são internas, tudo o que era pra ser externo, foi substituído por cenário de papel. Gostei muito, também, dos planos utilizados pelo diretor, ele faz uso de vários planos detalhe – que tem por função justamente mostrar os detalhes do cenário - também faz um bom uso do plongée, que são planos vistos de cima, tudo com o intuito de ajudar a compôr a história. O filme vale ser visto pela criatividade usada por Joe Wright, é uma outra forma de se fazer e se ver o cinema.

14 comentários

  1. Eu estou louca pra ver esse filme! Não sabia dessa do teatro, adorei a ideia do diretor! Amo filmes com esses jeitões mais diferentes.

    www.vestindoideias.com

    ResponderExcluir
  2. eu assisti esse filme e amei td a produção artística dele, tem uma vibe de teatro super diferente

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  3. Oie!
    O nome do livro me lembra algum outro livro, que falam dele no meio... não sou muito ligada em filmes de época, não é beeem meu tipo. Mas a fotografia parece linda! Imagino o drama que a personagem passa, porque conheço pessoas que nem viveram em 1874, e sim muito depois disso, e passam por preconceito da sociedade por serem divorciadas. Esses filmes nos mostram o quanto a sociedade evoluiu, mesmo que aos poucos x)

    Beijos!
    http://tipsnconfessions.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Estou para ver esse filme há anos hahaha
    Tenho ele no computador e nunca assisti. Sou muuuuito fã de Orgulho e Preconceito, e isso me levou a querer ver esse filme, mas ainda não assisti hahaha Fiquei curiosa para ver como é esse enquadramento como se fosse palco de teatro. Acho que finalmente vou assisti-lo hehe~

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Eu me apaixonei quando tinha visto o trailer alguns dias atrás, agora lendo a resenha fiquei com mais vontade de ver! Acho que valerá muito a pena mesmo.

    Abraços

    http://www.cherryacessorioseafins.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi Elisa, eu sou SUPER fã do livro e do Tolstói. Decidi não assistir o filme por motivos de: Keira Knightley. Eu realmente não gosto da atriz (acho ela péééssima), não consigo nem assistir esse trailer sem ficar irritada. rs... Acho que ia estragar toda a experiência do livro pra mim. :/

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  7. Eu vi o trailler do filme e fiquei muito curiosa para assistir, confesso que lendo esse texto fiquei ainda mais curiosa e sei que prestarei muito mais atenção aos detalhes agora rs

    ResponderExcluir
  8. Não assisti ainda e agora fiquei com muita vontade.
    Gosto demais de filmes que retratam épocas e tabus dela. Obrigada pela dica!
    Bjs
    LetS
    www.leticiaseki.com

    ResponderExcluir
  9. Eu sou a louca dos filmes de época, acho muito lindo e sinto que já vivi nessa época..rs Mas enfim, esse filme eu ainda não assisti, mas estou doida para assistir

    ResponderExcluir
  10. Eu assisti apenas partes desse filme e achei muito legal parecer que está num teatro. A história também é bem envolvente.
    Beijos
    Mari
    www.pequenosretalhos.com

    ResponderExcluir
  11. Esse filme me remeteu um pouco ao filme "A Duquesa" que é um filme que eu gosto bastante, então obviamente acabei gostando da premissa dele e fiando curiosa para assistir :) gosto bastante de filmes de época! Adorei a indicação <3

    ResponderExcluir
  12. Olá. Sinceramente não conhecia esse longa-metragem. Lembro-me de um mais antigo e que gostei muito por sinal. Vou ficar com a dica e quando tiver oportunidade vou ver! Congratulações para Elisa e parabéns pela página Eduarda. Elegante e bem recheada de informações. Gostei muito!

    http://marcelokeiser.blogspot.com.br/

    bjus

    ResponderExcluir
  13. Hey!

    Gostei! Essa é a mesma atriz de Orgulho e Preconceito certo? Porque eu só a vejo em filmes como esse e acho ela ótima para estes papéis. Sinceramente falando.
    Agora a forma que citou como o filme é produzido é intrigante. Curioso, na verdade. Jamais vi um filmes que se passa tanto internamente. Com cenários como se fosse uma peça encenada ali na hora. Interessante!

    Até mais! O/
    Karolini Barbara

    ResponderExcluir
  14. Eu cheguei a assisti a um filme sobre a Anna Karenina mais antigo dividido em 2 partes e achei a trajetória dela bem interessante, ainda mais porque sou apaixonada por filmes de época. Preciso ver essa adaptação mais recente que parece trazer uma proposta diferente de direção!
    Beijos
    Colorindo Nuvens

    ResponderExcluir

Pode comentar à vontade, mas lembre-se que escrevi e produzi este post com muito carinho e dedicação, portanto comentários apenas com links, ~adorei, tchau~ ou ~não conheço, bjs~ serão ignorados :(

Porém, se comentares a respeito do post, mesmo se desconhecer do assunto, irei retribuir em seu blog com carinho :)