Crítica do filme 'Anna Karenina'

Opa! Tudo bom? Hoje a Elisa trouxa a resenha do filme Anna Karenina, de 2012, estrelado por Keira Knightley. 


O filme 'Anna Karenina' é uma adaptação britânica de 2012 do clássico livro homônimo de Liev Tolstói. Dirigido por Joe Wright - responsável por dirigir também a adaptação de Orgulho e Preconceito - tem Keira Knightley como protagonista, além de Jude Law e Aaron Taylor Johnson. Vale destacar que o longa ganhou 2 Oscars por trilha sonora original e figurino. Eu gosto muito desta história, pois o diretor optou por uma abordagem incomum de apresentar a história: o filme trabalha em forma de teatro antigo, os cenários se movem conforme a ambientação da cena e dos personagens. 

Logo nos primeiros minutos já notamos que há algo de diferente na produção. Esse é o grande diferencial e que me fez escolhê-lo para esta resenha. A história se passa em 1874 no período da Rússia Imperial e narra os conflitos de uma traição. Anna Karenina (Keira Knightley), é casada com Alexei Karenin (Jude Law), um prestigiado funcionário do governo. Porém ao viajar para consolar a cunhada, que vive uma crise no casamento devido à infidelidade do marido, ela conhece o conde Vronsky (Aaron Johnson), que que se apaixona por ela e passa a segui-la. 


Apesar de se sentir atraída por Vronsky, Anna tenta ignorar seus sentimentos e decide voltar para sua cidade. Entretanto, Vronsky insiste e resolve se declarar. À partir disto, os dois começam a viver um romance escondido, até que Alexei descobre e Anna se vê pressionada e obrigada a fazer escolhas que contrariam seus objetivos. A primeira vista, parece só mais um romance de época, porém Anna Karenina trata do quão vulnerável podemos ficar diante de pressões e da evolução da mulher. 

A personagem, além de sofrer a pressão do marido, sofre também com a ridicularização e preconceito da sociedade da época com as mulheres que possuíam um caso extra conjugal. Em 1874, ano em que a história se desenrola, era ultrajante para uma mulher se envolver com outros homens e mais ultrajante ainda era pedir o divórcio, pois uma mulher divorciada era uma mulher indigna. Além desta questão, a narrativa também fala sobre o quanto as mulheres também eram vulneráveis e moldadas por princípios e regras da sociedade da época, por exemplo, há uma personagem que é pressionada pela família a se casar, pois seria uma vergonha ter uma "solteirona" na família, simbolizava fracasso. Então ao assistirmos o longa, podemos tirar alguma questões sociais para reflexão.



Falando dos aspectos técnicos, a direção de arte é linda! Como falei lá no começo do post, o filme todo tem a proposta de apresentar a narrativa como um teatro, os personagens e cenários são todos em cima de um palco, com tudo sendo montado ali na hora mesmo. O diretor chegou até a declarar que optou por esse tipo de proposta para dar mais ênfase à história, pois a sociedade russa da época era assim: um grande palco onde tudo era encenado. 

O longa quase não possui tomadas externas e isso chama muito a atenção, praticamente todas as cenas são internas, tudo o que era pra ser externo, foi substituído por cenário de papel. Gostei muito, também, dos planos utilizados pelo diretor, ele faz uso de vários planos detalhe – que tem por função justamente mostrar os detalhes do cenário - também faz um bom uso do plongée, que são planos vistos de cima, tudo com o intuito de ajudar a compôr a história. O filme vale ser visto pela criatividade usada por Joe Wright, é uma outra forma de se fazer e se ver o cinema.

Nenhum comentário

Pode comentar à vontade, mas lembre-se que escrevi e produzi este post com muito carinho e dedicação, portanto comentários apenas com links, ~adorei, tchau~ ou ~não conheço, bjs~ serão ignorados :(

Porém, se comentares a respeito do post, mesmo se desconhecer do assunto, irei retribuir em seu blog com carinho :)